Seja para começar, para expandir seus conhecimentos ou para terminar de dominar seu inglês, você pode ter pensado que deveria gastar mais horas estudando.
Você já pensou que também poderia progredir em casa?
Hoje queremos apresentar a vocês um post muito especial: um Top 5 sobre como aprender inglês em casa. Quando você começar a aplicar essas dicas, ficará difícil para você falar espanhol!
Antes de prosseguir, eu recomendo que você estude inglês para que possa aprender de forma mais rápida, o você pode ver aqui o melhor curso de ingles online que tem no momento.

Como aprender inglês em casa

1.- Estude de forma organizada e planejada

É muito frustrante querer passar meia hora estudando e que entre buscar informações, recursos e materiais você perde metade do tempo.

Se você organizar isso, não vai acontecer com você: gaste algum tempo por mês ou uma semana para preparar seus momentos de estudo e tudo que você precisa para realizá-los.

Você verá que aproveita ao máximo o seu tempo e que o tempo que dedica será muito mais produtivo e eficaz.

2.- Definir objetivos e comprometer

Quando você inicia um curso, workshop ou qualquer outra atividade, é fácil ficar motivado. Mas com o passar das semanas, a motivação pode diminuir …

Evite isso estabelecendo metas de curto e médio prazo e comprometa-se a cumpri-las. Claro, seja realista ao definir essas metas, caso contrário, a frustração não demorará muito para chegar.

Um bom começo de compromisso seria marcar com que frequência e por quanto tempo você estudará: por exemplo, 30 minutos segunda, quarta e sexta-feira.

Aos poucos você poderá traçar metas mais relacionadas ao conteúdo, mas, para começar, é importante que você cumpra o compromisso consigo mesmo.

3.- Pense em Inglês

Como aprender inglês em casa? Nem tudo está relacionado à organização – sua mente pode fazer muito a respeito.

Se tem algo barato e que você também pode fazer de casa (embora também no metrô, na rua ou no supermercado …) é pensar em inglês.

Além disso, quando você começar, não será capaz de parar. Pense no seu dia-a-dia, mas não em espanhol, mas em inglês. “O que vou fazer no almoço hoje?”, “Esqueci de contar a Clara sobre o último filme que vi no cinema …”, “Amanhã vou levantar um pouco mais cedo para ir ao banco” …

Frases simples, aconteça o que acontecer pela cabeça; Só existe uma condição: que seja em inglês.

4.- Pesquise recursos e aplicativos online

O smartphone pode ser um absorvedor de tempo ou um dos seus melhores aliados para aprender inglês. Desde aplicações móveis, rádios online, jogos, e-books e guias …

Se começar a procurar verá que a quantidade de recursos que a Internet lhe oferece é inesgotável.

5.- Veja séries e filmes em sua versão original com legendas

Você é viciado em filmes e séries? Bem, você tem muito gado para melhorar seu inglês.

Desde plataformas como a Netflix ( neste link você verá uma lista de recursos para aprender inglês nesta plataforma online) até simplesmente colocar um DVD ou Blu-ray e editar as legendas e o som.

Ouvir é uma parte muito importante do aprendizado de um idioma e filmes e séries são uma fonte inesgotável de recursos.

Os distúrbios sexuais masculinos podem ocorrer ocasionalmente ou durar ao longo do tempo . Porém, cada enfermidade requer orientação médica, pois somente um especialista pode nos orientar e avaliar adequadamente o caso para determinar as causas. Neste artigo, apresentamos três dos distúrbios sexuais masculinos mais comuns.

Distúrbios sexuais masculinos

Os problemas sexuais masculinos envolvem não apenas o sofredor, mas também o parceiro. Nesse sentido, é fundamental poder contar com o apoio, compreensão e paciência do casal para poder fazê-lo.

A incapacidade ou dificuldade experimentada durante a relação sexual pode ser devido a causas físicas ou psicológicas. Por sua vez, não ser capaz de manter relações sexuais causa estresse adicional que levará a um ciclo vicioso que resulta em culpa ou decepção, que então levará a mais problemas sexuais.

Portanto, é fundamental que haja uma boa terapia sexual, de preferência em casal , para que o homem deixe de se sentir culpado e possa enfrentar seus problemas.

Uma outra coisa que causa esse problema é que alguns homens tem um pênis pequeno e deseja aumentar o penis para satisfazer mais a sua parceira, isso pode ser tratado com produtos naturais ou até mesmo com psicologia.

Disfunção erétil

Consiste na incapacidade do homem de atingir ou manter uma ereção e, conseqüentemente, o coito. É um dos distúrbios sexuais masculinos mais comuns, pois afeta muitos homens em algum momento de suas vidas, embora ocasionalmente. Geralmente é devido ao estresse, fadiga, álcool ou drogas, etc.

Se, por outro lado, dura muito tempo, deve ser tratada, pois pode prejudicar gravemente a relação do casal, o ambiente de trabalho e social, etc. As causas da disfunção erétil são diferentes:

  • De natureza psicológica. Geralmente, essa é a causa mais comum. Estresse, ansiedade ou depressão podem causar estados de inapetência ou fadiga que levam à disfunção erétil.
  • Causas vasculares . Alguns distúrbios vasculares podem impedir que sangue suficiente flua para o pênis para atingir ou manter uma ereção. Dentre esses transtornos, deve-se destacar a hipertensão, o tabagismo ou o diabetes.
  • Causas neurológicas . Algumas condições, como esclerose múltipla ou lesões da medula espinhal, podem causar danos aos nervos que impedem uma ereção.
  • Alguns medicamentos podem reduzir a capacidade erétil.

Um diagnóstico completo do especialista é fundamental para intervir. Assim, será possível determinar se a causa é psicológica (por exemplo, depressão) ou de outra natureza, e o tratamento apropriado adotado.

Geralmente, depois de afastados problemas mais graves e de vários exames, recomenda-se iniciar a psicoterapia. Em alguns casos mais extremos, o médico pode prescrever medicamentos como o sildenafil ou o tadalafil.

Ejaculação precoce

É um problema sexual em que o homem ejacula involuntariamente e mais cedo do que deveria, geralmente antes da penetração. Conseqüentemente, não há controle sobre a ejaculação.

Se não for tratado de forma adequada, esse problema pode causar outros, principalmente os associados à autoestima , ao casal e ao convívio social. Entre as causas deste distúrbio, podemos incluir:

  • Imaturidade sexual ou falta de educação sexual
  • Falta de autoestima
  • Ansiedade
  • Estresse
  • Sensibilidade extrema
  • Sentindo-se insatisfeito com sua vida sexual
  • Idade (adolescente ou idoso)

Além disso, existem diferentes formas de ejaculação precoce : a primária (prolongada ao longo do tempo, geralmente a partir da adolescência) e a secundária (início recente).

Tratamento de distúrbios sexuais masculinos

Existem exercícios adequados e muito eficazes para aumentar o controle sobre a ejaculação. Por outro lado, o tratamento mudará dependendo do distúrbio e das causas. Por isso, o diagnóstico correto do especialista é de suma importância. A terapia sexual pode ser necessária; em casos de estresse e ansiedade, a terapia psicológica é indispensável.

Muitas vezes, a ejaculação precoce deve-se a maus hábitos adquiridos durante a adolescência. Por exemplo, na ânsia de obter prazer, o jovem pode não ter adquirido o controle necessário sobre sua ejaculação (um problema que continuará na idade adulta).

Finalmente, para os casos mais extremos, o médico pode prescrever medicamentos especializados. Para isso existem pomadas e fórmulas em spray que ajudam a limitar a sensibilidade do pênis , retardando a ejaculação . Porém, os medicamentos devem ser sempre indicados pelo médico.

Fale sobre distúrbios sexuais masculinos

Os problemas sexuais masculinos de que falamos, a saber, disfunção erétil e ejaculação precoce, são bastante comuns. No entanto, apenas uma fração das pessoas afetadas recorre a um especialista para tratar esses problemas.

Como em muitos casos são desencadeados por distúrbios psicológicos como estresse, depressão ou ansiedade, não lidar com eles pode piorar a situação, levando a pessoa a viver uma situação que todos os aspectos de sua vida poderiam ser afetados, sofrendo de depressão e infelicidade.

Para desfrutar de relações sexuais satisfatórias e manter uma ótima qualidade de vida sob todos os pontos de vista, é importante que o homem supere seus tabus .

Muitos de nós jogam e viram ou assistem o relógio quando não conseguimos dormir por uma noite ou duas. Mas para alguns, uma noite agitada é rotineira.

Mais de 40 milhões de americanos sofrem de distúrbios crônicos do sono a longo prazo e outros 20 milhões relatam problemas de sono ocasionalmente, de acordo com o National Institutes of Health.

Estresse e ansiedade podem causar problemas no sono ou piorar os problemas existentes. E ter um transtorno de ansiedade exacerba o problema.

Os distúrbios do sono são caracterizados por padrões anormais de sono que interferem no funcionamento físico, mental e emocional. Estresse ou ansiedade podem causar uma noite séria sem dormir, assim como vários outros problemas.

Insônia é o termo clínico para pessoas que têm problemas para adormecer, têm dificuldade em adormecer, acordam muito cedo pela manhã ou acordam sem se atualizar.

Outros distúrbios comuns do sono incluem apneia do sono (ronco alto causado por uma via aérea obstruída), sonambulismo e narcolepsia (adormecer espontaneamente). A síndrome das pernas inquietas e o bruxismo (ranger dos dentes durante o sono) são condições que também podem contribuir para os distúrbios do sono.

Transtorno de ansiedade ou distúrbio do sono: o que vem primeiro?

Qualquer um. A ansiedade causa problemas no sono, e novas pesquisas sugerem que a privação do sono pode causar um transtorno de ansiedade.

A pesquisa também mostra que alguma forma de perturbação do sono está presente em quase todos os transtornos psiquiátricos. Estudos também mostram que pessoas com insônia crônica correm alto risco de desenvolver um transtorno de ansiedade.

Riscos de saúde

Os riscos do sono inadequado vão muito além do cansaço. A insônia pode levar a um desempenho ruim no trabalho ou na escola, aumento do risco de lesões e problemas de saúde.

Além dos transtornos de ansiedade e humor, aqueles com distúrbios do sono apresentam risco de doença cardíaca, insuficiência cardíaca, batimentos cardíacos irregulares, ataque cardíaco, pressão alta, derrame, diabetes e obesidade.

Tratamento

Se você suspeitar de ter um distúrbio do sono, visite um médico de cuidados primários, profissional de saúde mental ou clínica de distúrbios do sono. As opções de tratamento incluem medicina do sono e terapia cognitivo-comportamental , que ensina como identificar e modificar comportamentos que perpetuam os problemas do sono.

As opções de tratamento para um transtorno de ansiedade também incluem terapia cognitivo-comportamental, bem como técnicas de relaxamento e suplementos naturais como o captril que além de ajudar a melhorar o sono, ele ajuda a diminuir a ansiedade. O seu médico ou terapeuta pode recomendar um ou uma combinação desses tratamentos.

Reduza a ansiedade, durma profundamente

Para reduzir a ansiedade e o estresse:

  • Meditar. Concentre-se na respiração – inspire e expire lenta e profundamente – e visualize um ambiente sereno, como uma praia deserta ou uma colina gramada.
  • Exercício. O exercício regular é bom para sua saúde física e mental. Ele fornece uma saída para frustrações e libera endorfinas que melhoram o humor. O yoga pode ser particularmente eficaz na redução da ansiedade e do estresse.
  • Priorize sua lista de tarefas. Gaste seu tempo e energia nas tarefas que são realmente importantes e divida projetos grandes em tarefas menores e mais fáceis de gerenciar. Delegue quando puder.
  • Tocar música. Música suave e calmante pode diminuir sua pressão arterial e relaxar sua mente e corpo.
  • Durma bastante. Dormir recarrega seu cérebro e melhora seu foco, concentração e humor.
  • Estresse direto e ansiedade em outros lugares. Ajude um parente ou vizinho ou seja voluntário em sua comunidade. Ajudar os outros a tirar sua mente de sua própria ansiedade e medos.
  • Fale com alguém. Informe aos amigos e familiares como eles podem ajudar e considere consultar um médico ou terapeuta.

Para dormir mais profundamente:

  • Faça com que dormir bem seja uma prioridade. Bloqueie de sete a nove horas para uma noite inteira de sono ininterrupto e tente acordar no mesmo horário todos os dias, inclusive nos finais de semana.
  • Estabeleça uma rotina regular e relaxante para dormir. Evite estimulantes como café, chocolate e nicotina antes de dormir e nunca assista à TV, use o computador ou pague contas antes de dormir. Leia um livro, ouça música suave ou medite.
  • Verifique se o seu quarto está fresco, escuro e silencioso. Considere usar um ventilador para abafar o excesso de ruído e verifique se o colchão e as almofadas estão confortáveis.
  • Use seu quarto como quarto – não para assistir TV ou trabalhar – e deite-se apenas quando estiver cansado. Se você não adormecer em 15 minutos, vá para outra sala e faça algo relaxante.
  • O exercício regular ajudará você a dormir melhor, mas limite seus exercícios a manhãs e tardes.
  • Evite olhar para o relógio. Isso pode deixá-lo ansioso no meio da noite. Vire o relógio para longe de você.
  • Converse com seu médico se você ainda tiver problemas para adormecer. Você pode precisar de receita médica ou remédio herbal para dormir.

Não há nada mais atraente do que um cabelo grosso que brilha com a saúde natural, por isso vou lhe apresentar o melhor Remedio Para Queda de Cabelo” nesse artigo. Mas a queda de cabelo é um problema que muitas pessoas sofrem.

Pode haver vários fatores por trás da queda de cabelo, tais como efeitos ambientais, envelhecimento, excesso de estresse, tabagismo excessivo, deficiências nutricionais, desequilíbrio hormonal, fatores genéticos, infecções do couro cabeludo, uso de produtos capilares incorretos ou quimicamente enriquecidos, certos medicamentos e condições médicas, como a tireoide, doenças auto imunes, síndrome dos ovários policísticos (PCOS), anemia ferropriva e doenças crônicas, Por isso é interessante que você saiba qual é o Melhor Remédio Para Queda de Cabelo para que você possa usar de Forma correta.

Existem cerca de 100.000 mechas de cabelo no couro cabeludo e é considerado muito normal perder 50 a 100 vertentes por dia. Mas quando você começa a perder mais do que isso, é hora de você tomar alguma ação para que ele não progride para a calvície ou manchas carecas. Muitos ingredientes prontamente disponíveis podem ser usados para tratar a queda de cabelo em casa.

10 principais Remédios Para Queda de Cabelo.

1. Massagem a óleo de cabelo

O primeiro passo que você pode tomar para reduzir a perda de cabelo é massagear seu couro cabeludo com óleo de cabelo apropriado. Uma boa massagem no cabelo e no couro cabeludo aumentará o fluxo sanguíneo para os folículos pilosos, condicionará o couro cabeludo e aumentará a força das raízes do seu cabelo. Também promoverá o relaxamento e reduzirão os sentimentos de estresse.

Você pode usar óleos para o cabelo como óleo de coco ou amêndoa, azeite, óleo de rícino, óleo de amla ou outros. Adicione algumas gotas de óleo essencial de alecrim ao óleo de base para resultados melhores e mais rápidos. Outros tipos de óleo que você pode usar são óleo de emu, óleo de argan e óleo de germe de trigo.

Massageie qualquer um dos óleos capilares mencionados acima em seu cabelo e couro cabeludo aplicando leve pressão com a ponta dos dedos.
Faça isso pelo menos uma vez por semana.

2. Groselha Indiana

Para o crescimento natural e rápido do cabelo, você pode usar a groselha indiana, também conhecida como amla. A groselha indiana é rica em vitamina C, dos quais uma deficiência no corpo pode causar perda de cabelo.

As propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes, antibacterianas e exfoliantes presentes na groselha indiana podem ajudar a manter um couro cabeludo saudável e promover o crescimento do cabelo.

Misture uma colher de sopa de polpa de ameixa ou amla indiana e suco de limão.
Massageie seu couro cabeludo com a mistura cuidadosamente. Cubra seu cabelo com uma tampa de chuveiro.
Deixe-o durante a noite e lave seu cabelo pela manhã.

3. Fenugreek

Fenugreek, também conhecido como methi, é altamente eficaz no Tratamento Para Queda de Cabelo. As sementes de feno-grego contêm antecedentes hormonais que aumentam o crescimento do cabelo e ajudam a reconstruir os folículos capilares. Eles também contêm proteínas e ácido nicotínico que estimulam o crescimento do cabelo.

Mergulhe um copo de sementes de feno-grego na água durante a noite.
Na parte da manhã, moe-os para fazer uma pasta.
Aplique a pasta no cabelo e cubra com uma capa de chuveiro. Após cerca de 40 minutos, enxágue o cabelo.
Siga este remédio todas as manhãs por um mês.
Melhor Remédio Para Queda de Cabelo com 60% OFF

4. Suco de cebola

O suco de cebola ajuda a tratar a queda de cabelo devido ao seu alto teor de enxofre, o que ajuda a melhorar a circulação sanguínea dos folículos pilosos, regenerar os folículos capilares e reduzir a inflamação.

As propriedades antibacterianas no suco de cebola também ajudam a matar germes e parasitas e tratar infecções do couro cabeludo que podem causar queda de cabelo.

Em um estudo de 2002 publicado no Journal of Dermatology, quase 74 por cento dos participantes do estudo que aplicaram suco de cebola no couro cabeludo experimentaram rebrote significativo de cabelo.

Extraia o suco de uma cebola e depois estique-o. Aplique o suco diretamente no couro cabeludo. Deixe-o em cerca de 30 minutos, e depois lave-o seu cabelo.
Misture três colheres de sopa de suco de cebola e duas colheres de sopa de gel de aloe vera. Você também pode adicionar uma colher de sopa de azeite. Aplique esta mistura no couro cabeludo e deixe-a em pelo menos 30 minutos antes de enxaguar o seu cabelo.
Repita qualquer desses remédios duas a três vezes por semana durante várias semanas.

Leia também: Remédio caseiro para queda de cabelo

5. Aloe Vera

Aloe vera contém enzimas que promovem diretamente o crescimento saudável do cabelo. Além disso, suas propriedades alcalinizantes podem ajudar a reduzir o pH do couro cabeludo e do cabelo para um nível mais desejável, o que pode promover o crescimento do cabelo.

O uso regular também pode aliviar a coceira do couro cabeludo , reduzir a vermelhidão e a inflamação do couro cabeludo, adicionar força e brilho aos cabelos e aliviar a caspa. Tanto o gel de aloe vera quanto o suco irão funcionar.

Deixe-o ligado por algumas horas e depois lave-o com água morna.
Repita o processo três a quatro vezes por semana.
Você também pode consumir uma colher de sopa de suco de aloe vera diariamente com o estômago vazio para desfrutar de um melhor crescimento do cabelo.

6. Raiz de alcaçuz

A raiz de alcaçuz é outra erva que previne a queda de cabelo e outros danos ao cabelo.

As propriedades mollizantes das raízes de alcaçuz abrem os poros, aliviam o couro cabeludo e ajudam a se livrar de irritações como flocos secos. Este remédio é bom para a caspa, queda de cabelo e calvície.

Adicione uma colher de sopa de raiz de alcaçuz molhada a um copo de leite com um quarto de colher de chá de açafrão. Misture bem.
Aplique a pasta em manchas calvas na hora de dormir e deixe-a durante a noite.
De manhã, lave o cabelo.
Siga este remédio uma ou duas vezes por semana.
Você também pode tomar alcaçuz internamente sob a forma de chá de alcaçuz três vezes por dia.
Melhor Remédio Para Queda de Cabelo com 60% OFF

7. Hibisco chinês

A flor de hibisco chinês tem muitas propriedades naturais que podem ajudar no tratamento da queda de cabelo. Além de promover o crescimento do cabelo, esta flor também pode ser usada para curar a caspa, prevenir as pontas divididas, engrossar os cabelos e prevenir o envelhecimento prematuro. Para tratar a queda de cabelo:

Adicione 10 flores chinesas de hibisco a duas xícaras de óleo de coco.
Aqueça a solução até queimado. Coloque-o para recolher o óleo.
Aplique o óleo no cabelo antes de ir para a cama. Lave o cabelo pela manhã.
Repita isso algumas vezes por semana.
Você também pode fazer chá com esta flor e usá-lo como um enxágüe para o seu cabelo para estimular o crescimento adequado.

8. Beterraba

O suco de beterraba contém carboidratos, proteínas, potássio, fósforo, cálcio e vitaminas B e C. Todos esses nutrientes são essenciais para o crescimento saudável do cabelo .

Inclua suco de beterraba fresco na sua dieta. Além disso, suco de espinafre, suco de alface ou suco de cenoura ajudará a manter seu cabelo saudável.
Alternativamente, mole algumas folhas de beterraba (cozidas em água) juntamente com henna e aplique a pasta no couro cabeludo. Deixe-o ligado por 15 a 20 minutos antes de enxaguar. Repita várias vezes por semana.

9. Linhaça

As sementes de linhaça são uma fonte rica de ácidos graxos ômega-3 que podem evitar a queda de cabelo e estimular o crescimento do cabelo.

Para controlar a perda de cabelo, consumir uma colher de sopas de linhaça moída com um copo de água diariamente pela manhã. Você também pode adicionar sementes de linhaça às suas saladas, sopas, smoothies e outros pratos.
Você também pode simplesmente tomar o óleo de linhaça, ou aplicá-lo em seu cabelo. Quando usado como óleo de cabelo, o óleo de linhaça pode ajudar a prevenir a perda de cabelo, bem como fortalecer seu cabelo.

10. Leite de coco

O leite de coco é rico em proteínas e gorduras essenciais que promovem o crescimento do cabelo e previnem a queda de cabelo. Quando aplicado ao cabelo, o leite de coco fornece resultados rápidos.

Você pode fazer leite de coco fresco em casa, adicionando um coco recentemente recheado a uma panela de água.
Deixe esfriar por 5 minutos. Em seguida, estique isso.
Uma vez fresco, aplique o leite cuidadosamente no couro cabeludo e no cabelo. Deixe-o por cerca de 20 minutos e, em seguida, lave seu cabelo.
Para tornar o tratamento mais eficaz, você pode misturar a pimenta preta e as sementes de feno-grego em pó com o leite de coco antes de usá-lo.

Para resolver seu problema de queda de cabelo, tente alguns desses remédios naturais. Além disso, seguir uma dieta adequada manterá seu cabelo saudável . Então, coma vegetais verdes e frutas frescas, tanto quanto possível.

Há cada vez mais pessoas que praticam esportes e tendem a enfrentar desafios esportivos cada vez mais exigentes: maratonas, corridas ou trilhas de montanha, etc. 

Uma dieta alimentar adequada é essencial para melhorar o desempenho esportivo sem prejudicar a saúde a longo prazo. Anna Bach e Laura Esquius, especialistas em nutrição e esportes e professores dos Estudos de Ciências da Saúde da Universidade Aberta da Catalunha (UOC), publicaram o livro Comida em atividade física e esporte para resolver as dúvidas relativas a esta questão com uma base científica.

Um dos elementos-chave para a prática do esporte é a hidratação, pois uma perda de água de apenas 2% do peso corporal reduz a capacidade de desempenho em 20 a 30%. 

“É importante beber água a partir de 30 minutos desde o início do esforço físico para compensar a perda de líquidos e depois de uma hora ela se torna essencial”, diz Bach, diretor do Mestrado Universitário em Alimentos em Atividade Física e Esportes. UOC Além disso, “a hidratação antes, durante e depois dos esportes é fundamental para prevenir lesões, principalmente músculos e articulações”, diz Bach, que também é membro do grupo de pesquisa UOC FoodLab.

No entanto, a reidratação não deve incluir apenas água. “É necessário incluir na recuperação de sais minerais líquidos e carboidratos para uma restauração imediata das funções fisiológicas cardiovasculares, musculares e metabólicas do organismo”, explica Laura Esquius, professora do mestrado mencionado e também diretora da pós-graduação em Nutrição, Performance Esportiva e Saúde da UOC. Portanto, é aconselhável que as bebidas após o exercício tenham sódio e carboidratos, como glicose ou sacarose.

Além do sódio, que regula a água no organismo, é muito importante que a dieta ajude a manter um bom nível de outros minerais. Entre os oligoelementos, o zinco demonstrou ser a chave para regenerar os danos musculares causados ​​pelo exercício e que um déficit de cálcio pode causar cólicas, entre outros problemas.

A anemia é uma das principais restrições de desempenho e recuperação, portanto, você deve prestar muita atenção, especialmente no caso de esportes de resistência, vegetarianos e atletas do sexo feminino. No entanto, de acordo com especialistas, devemos excluir que se trata de uma “anemia falsa de atleta”, um mecanismo adaptativo e transitório que ocorre em resposta ao treinamento. 

Ele pode ser detectado, pois, embora o volume plasmático possa crescer até 20% e a concentração de hemoglobina geralmente baixa temporariamente, outros indicadores de anemia, como baixos níveis de ferritina, não aparecem.

Você também deve estar muito alerta para distúrbios alimentares. Beatriz Galilea, psicóloga e professora colaboradora da UOC, explica que “sabemos que há uma porcentagem de atletas preocupados com a imagem corporal, o peso e a influência que exercem sobre o desempenho esportivo”. 

No caso de alguns atletas ou atletas sujeitos a um alto requisito, os distúrbios alimentares aumentam a alteração dos períodos menstruais ou a ausência destes e a uma maior fragilidade dos ossos, com risco de lesão. 

É o que é conhecida como “tríade da mulher atleta”. No entanto, os distúrbios alimentares “não afetam mais apenas a população esportiva feminina: também os encontramos entre atletas do sexo masculino de alto nível”, explica Galilea.

Para evitar comportamentos de risco, ele recomenda que “atletas, treinadores e pais dediquem tempo à educação nutricional saudável para esportes”.

Esses e outros fatores fazem parte dos nove erros de nutrição esportiva que os especialistas identificaram. As práticas a seguir, em alguns casos voluntários, podem prejudicar o desempenho e, a longo prazo, a saúde:

  1. Ingestão inadequada de energia, em alguns casos devido a dietas insuficientes (como no caso de algumas ginastas) ou excessivas (que podem ocorrer em esportes como levantamento de peso ou arremesso).
  2. Desequilíbrio nas proporções dos princípios imediatos da dieta, com excesso de proteínas e gorduras.
  3. Dietas com excesso de alimentos à base de carne, gorduras saturadas e carboidratos de rápida absorção.
  4. Consumo insuficiente de alimentos à base de plantas (legumes, legumes e frutas frescas).
  5. Ingestão insuficiente de fibras.
  6. Déficit de minerais (principalmente cálcio, zinco e ferro) e vitaminas (especialmente o complexo B).
  7. Ingestão insuficiente de água.
  8. Consumo excessivo de álcool, especialmente em alguns esportes coletivos.
  9. Erros nos planejamentos de entrada em relação a quantidades e distribuição de tempo

Como evitar os novos erros de nutrição esportiva?

Os especialistas lembram que as recomendações nutricionais devem ser personalizadas e que, em cada caso, as doses mais apropriadas devem ser aconselhadas ao tipo de exercício físico que cada pessoa realiza.